O buritizeiro é uma palmeira nativa da Amazônia, muito encontrada nos igapós, margens de rios e igarapés, formando as veredas de miritizeiros ou buritizeiros, locais característicos por seus olhos d’água e por servirem de refúgio para a fauna silvestre. No norte, esta árvore tem grande importância na manutenção das fontes d'água naturais da terra firme, podendo conservar os locais alagados, com água saudável e permanente.

     Esta planta apresenta um monocaule (solitário) alto com o estipe (caule aéreo, reto, cilíndrico e sem ramos) liso, que pode atingir mais de 30 metros de altura, tendo como média de diâmetro de tronco entre 25 a 50 cm.

     As folhas dos buritizeiros são palmadas (como leques abertos), podendo ultrapassar 5 metros de comprimento.

     As inflorescências são interfoliares e dioicas, com flores amareladas separadas em árvores femininas ou masculinas.

      Os frutos que são drupas elipsoide, medem aproximadamente de 6 x 4 cm, estão  cobertos por escamas córneas marrons e tornam-se avermelhados quando maduros. Formam cachos robustos e grandes. Sua polpa é uma massa espessa de cor alaranjada, a qual envolve uma única semente muito dura.

     A propagação do buritizeiro é feita por sementes, com quebra de dormência através de imersão em água, plantio e germinação por volta de 80 dias.

     Os buritizeiros femininos produzem de 2 em 2 anos, numa quantidade de 5 a 7 cachos com cerca de 500 frutos cada.

     Do tronco da buritizeiro pode ser extraído palmito e suas folhas servem para cobertura de casas e fabricação de artesanatos.

     O pecíolo dessa palmeira fornece material leve e macio utilizado para confecção de brinquedos e rolha de garrafa. Os barquinhos, canoas, cobras, papagaios e pássaros de miriti flutuam em água e são muitos apreciados e vendidos durante o círio de Nossa Senhora de Nazaré em Belém.

     A polpa do fruto da buriti é tradicionalmente transformada em doce ou desidratada. Além disso, depois de fermentada e aquecida ela é utilizada no preparo do "vinho de miriti", o qual é degustado com açúcar e farinha d’água ou de tapioca, e pode ser diluído para ser utilizado em sorvetes, refresco e picolés.

     Da semente do buritizeiro, se extrai o óleo de miriti, que é comestível e utilizado para fritar alimentos, principalmente os peixes, além de servir de combustível para as lamparinas e de matéria prima para fabricação de sabão.

ARECACEAE - Mauritia flexuosa

BURITI – BURITIZEIRO – MIRITIZEIRO – MIRITI – BORITI – PALMEIRA DOS BREJOS

     Dioicas: vegetais que apresentam sexo separado em cada planta, ou seja, numa as flores são masculinas e na outra são femininas

     Drupa: tipo de fruto que contém uma semente, a qual só desgruda do caroço de forma mecânica.

CLIQUE AQUI! COMPRE NOSSO E-BOOK!
VENDA DISPONÍVEL NA AMAZON.COM
COLEÇÃO: AMAZÔNIA, O MUNDO DAS MULHERES DO NORTE

WAWATU DA AMAZÔNIA 

 

      Na Amazônia, do século XIX, devido à cobiça pela borracha, Wawatu, cunhatã do clã Aruak, tem sua aldeia dizimada por brancos. Apesar de ser forçada a viajar para um local desconhecido, casar-se com guerreiro de origem Karib e sofrer com as diferenças de costumes de seus familiares, ela se apaixona.

MAIS DE 100 PÁGINAS DE PURA EMOÇÃO!

QUER GANHAR 24 E-BOOKS GRÁTIS E CONCORRER A PRÊMIOS MENSAIS?

DIGITE E-MAIL, CLIQUE EM ENVIAR E RECEBA DE 15 EM 15 DIAS UM E-BOOK...

Livro "No Mundo das

Mulheres do Norte"

+

Frete Grátis = R$ 49,90

Clique Aqui!

Compre Agora!