A castanheira é um vegetal originário da Amazônia, está entre as maiores árvores do Brasil, é protegida por lei e comumente encontrada vegetando naturalmente nas matas do norte.

     É uma planta muito alta, atinge mais de 50 m de altura, mostra o diâmetro maior que 2 m e pode viver mais de 500 anos.

     Seu tronco é reto, sua casca é cinzenta e permanece sem galhos por mais da metade do comprimento da árvore. Sua copa grande emerge sobre a folhagem das árvores vizinhas.

     Esta planta sofre caducifolia.

     Suas folhas são verdes escuras, simples e lisas.

     Suas flores encontram-se agrupadas em inflorescência do tipo panícula terminal. São amareladas, em grande quantidade, duram apenas um dia e possuem 6 pétalas desiguais. São polinizadas por abelhas nativas.

     Seu fruto é um pixídio lenhoso, globoso, ou seja, uma grande cápsula de casca muito dura, pesada, de aproximadamente 12 cm de diâmetro que contém de 8 a 24 sementes dispostas como os gomos de um limão, ao qual nós nativos chamamos de ouriço. Demora 14 meses para amadurecer após a polinização das flores. Apresenta um pequeno buraco em uma das pontas, que tolera que as cutias, seus dispersores naturais, roam até abrir o ouriço. Estes animais comem algumas das castanhas que encontram ali dentro e enterram as outras, que acabam por germinar após um ano.

     Nos quintais do norte, dificilmente se faz a propagação da castanheira, porque ela normalmente só começa a florir e frutificar a partir de dez anos, e também pelo perigo que a queda de seus frutos representa, já que ao amadurecer, os ouriços despencam inteiros do alto da castanheira. Geralmente, o castanha coletada é produzida pela flora nativa através do extrativismo sustentável.

     As castanhas são sementes de forma angulosa que tem uma amêndoa branca, gordurosa, nutritiva e saborosa, de alto valor econômico.

     No norte, a castanha do Pará é consumida “in natura” ou na utilização de doces e sorvetes, sendo que os frutos são quebrados com martelo e a polpa retirada com faca. Aqui também, usa-se o “leite” de castanha” para substituir o leite de coco na culinária regional e a “castanha ralada” no lugar do queijo parmesão ralado em muitos sorvetes e cremes.

 LECYTHIDACEAE - Bertholletia nobilis

CASTANHA DO PARÁ CASTANHA DO BRASIL - CASTANHEIRA

INFLORESCÊNCIA = é a parte do vegetal onde estão dispostos os grupos de flores.

INDEISCENTE = é o tipo de fruto que, quando maduro, não se abre e portanto, não libera as sementes.

PANÍCULA = é o tipo de inflorescência onde as flores estão disposta em forma de cone ou pirâmide.

CADUCIFOLIA = é o fenômeno de perder e trocar todas as folhas em determinada época do ano.

PIXÍDIO = é um fruto lenhoso em forma de cumbuca que guarda as sementes (castanhas).

Castanha do Pará Bertholletia excelsa Lecythidaceae Fruta Nativa da Amazônia Floresta Água do Norte Celcoimbra Site Santarém Pará castanheira Brazil nut almendras paranut castaña DEF Marketing Turismo

VENDA DE PEIXES ORNAMENTAIS DA AMAZÔNIA      ENGLISHSymphysodon discus - Wild Discus

Existem centenas de espécies e variações de peixes amazônico ornamentais.

Conheça algumas dessas espécies clicando em cima dos links:

 

Astronotus ocellatus - Acará-açu

Acarichthys heckelii - Acarazinho Requeu

 

Apistogramma (Gênero) - Acará Anão

Apistogramma agassizii

Apistogramma bitaeniata

Apistogramma eunotus

Apistogramma hippolytae

Apistogramma pertensis

Apistogramma taeniata

 

Biotodoma cupido - Acará Salema

Biotecus opercularis - Acará Saracá

Caquetaia spectabilis - Acará Pérola

 

Characiformes (Ordem)

Carnegiella (Gênero Peixe-borboleta)

Carnegiella marthae - Peixe-borboleta-prateada

Carnegiella schereri - Peixe-borboleta-de-pontos

Carnegiella strigata - Peixe-borboleta-listrada

Chalceus (Gênero) - Peixe Araripirá

Chalceus erythrurus - Peixe Rabo de Fogo

Chalceus macrolepidotus - Peixe Arari Vermelho

Copella arnoldi - Peixe Piratantã

Gnathocharax steindachneri - Tetra-aruanã

Hemigrammus bleheri - Rodostomus

Hemigrammus stictus - Tetra Stictus

Hemiodus gracilis - Cruzeiro-do-Sul

Heterocharax macrolepis - Tetra Violeta

Hyphessobrycon cachimbensis - Tetra Cachimbo

Hyphessobrycon copelandi - Tetra Pena

Hyphessobrycon eque - Tetra Mato Grosso

Hyphessobrycon pulchripinnis - Tetra Limão

Hyphessobrycon scutulatus - Tetra Ouro

Hyphessobrycon vilmae - Neon Chocolate

Leporinus fasciatu - Piau-flamengo

Nannostomus eque - Peixe-lápis Marrom

Nannostomus unifasciatus - Peixe-lápis 1 linha

Paracheirodon axelrodi - Tetra Cardinal

Paracheirodon innesi - Tetra Neon

 

Colomesus asellus - Baiacu Amazônico

 

Crenicichla (Gênero) - Jacundás

Crenicichla acutirostris - Jacundá Flamengo

Crenicichla johanna - Jacundá Olho de Fogo

Crenicichla lugubris - Jacundá Vermelho

Crenicichla macrophthalma  - Jacundá Olhudo

Crenicichla marmorata - Jacundá de Mármore

Crenicichla regani - Jacundá de Folha

Crenicichla stocki - Jacundá da Linha Branca

Crenicichla strigata - Jacunda Riscado

Crenicichla vittata - Jacundá Banana

 

Dicrossus maculatus - Xadrezinho

 

Geophagus (Gênero) - Chaperema

Geophagus altifrons - Chaperema Amarelo

Geophagus megasema - Chaperema Vermelho

Geophagus proximus - Chaperema Mancha de Olho

 

Heros (Gênero) - Acará Severo

Heros efasciatus - Acará Severo

Heros notatus - Acará Severo de Pontos

Heros severus - Acará Severo Peba

 

Laetacara curvicep - Acara curviceps

 

Loricariidae (Família) - Plecos

Baryancistrus sp. "L142" - Acari Bola Branca  "LDA 33"

Farlowella amazona - Peixe Galho

Hemiancistrus sabaji "L075" - Acari Tigre de Bola

Hemiancistrus snethlageae "L141" - Acari Aba Branca

Hypancistrus sp. "L260" - Acari Pão

Hypancistrus sp. "L262" - Acari Pão Pigmentado

Hypancistrus sp. "L333" - Acari Pão Alenquer

Hypancistrus zebra - Acari Zebra

Hypostomus soniai "L137" - Acari Violeta

Leporacanthicus joselimai "L264" - Acari Onça

Panaque armbrusteri "L027" - Acari Boi de Bota

Panaque sp "L271" - Acari Cara de Pão

Peckoltia compta "L134" - Acari Picota Ouro

Peckoltia vittata  "L015" - Acari Teoro

Pseudacanthicus sp. "L097" - AcarI Assacu

Pseudacanthicus sp. "L273" - Acari Red Titanic

Pseudacanthicus sp. "L273" - Acari Yellow Titanic

Pseudancistrus sp. "L259" - Acari Cara Chata

Scobinancistrus pariolispos "L133" - Acari Cotia

Spectracanthicus murinus - Acari Bicudo

 

Mesonauta festivus - Acará Festivo

Monocirrhus polyacanthus - Peixe Folha

Pterophyllum scalare - Acará Bandeira

Retroculus xinguensis - Acará Xinguensis

 

Satanoperca - Acará Porquinho

Satanoperca acuticeps - Acará 5 Pontos

Satanoperca jurupari - Acará Jurupari

Satanoperca lilith - Acará 3 Pontos

Satanoperca pappaterra - Acarazinho

 

Symphysodon aequifasciatus - Acará Disco

Symphysodon discus (Variedades) - Acará Disco

Symphysodon discus - BARRA MANSA

Symphysodon discus - BLUE FACE

Symphysodon discus - BROWN

Symphysodon discus - CUIPEUA

Symphysodon discus - CURUÁ

Symphysodon discus - GRAY GREEN

Symphysodon discus - HECKEL

Symphysodon discus - INANU

Symphysodon discus - LAGO GRANDE

Symphysodon discus - NHAMUNDÁ

Symphysodon discus - MIX

Symphysodon discus - ORANGE LAGO GRANDE

Symphysodon discus - ROYAL

Symphysodon discus - SEMIROYAL

Symphysodon discus - SOLID

 

Taeniacara candidi - Torpedinho

 Teleocichla proselytus - Jacundá da Pedra

Uaru amphiacanthoides - Acará Baru

Symphysodon discus - Wild Discus

CLIQUE AQUI! COMPRE NOSSO E-BOOK!
VENDA DISPONÍVEL NA AMAZON.COM
COLEÇÃO: AMAZÔNIA, O MUNDO DAS MULHERES DO NORTE

WAWATU DA AMAZÔNIA 

 

      Na Amazônia, do século XIX, devido à cobiça pela borracha, Wawatu, cunhatã do clã Aruak, tem sua aldeia dizimada por brancos. Apesar de ser forçada a viajar para um local desconhecido, casar-se com guerreiro de origem Karib e sofrer com as diferenças de costumes de seus familiares, ela se apaixona.

MAIS DE 100 PÁGINAS DE PURA EMOÇÃO!